Reccentemente a minha vida tem sofrido alterações a todos os níveis, mas a parte mais afetada tem sido aquela que se relaciona com o meu grupo de pessoas chegadas, amigos/as portanto!
    Este é um post sobre amigas, as minhas novas amigas! 

Quando entramos num ambiente novo, aquele tipo de ambiente que achamos que todas as pessoas que o compõem nos conhece, mas nós não conhecemos ninguém. Um ambiente em que há um grupo de amigos formado e bastante consolidado, em que todos são amigos, maioritariamente rapazes e as únicas raparigas são as namoradas desses rapazes. Ou seja, um espaço novo, com novas pessoas, na minha cabeça apenas uma palavra paira: "MEDO!". E pronto, foi assim, cheia de medo que me fui habituando a este novo grupo.
 Claro que sendo rapariga, o maior desafio seria conseguir ter algum tipo de relação com as raparigas pertencentes, sabendo como são as raparigas, achava que não seria uma fácil tarefa. Mas o destino ás vezes prega-nos umas partidas malucas! E hoje é mesmo sobre essas raparigas que pretendo falar. Essas duas raparigas, que, de desconhecidas passaram a amigas, e arrisco-me a dizer, amigas a sério.

A Mims e a Ana são pessoas diferentes, com personalidades diferentes e ainda vinha eu, também diferente, com uma personalidade mais explosiva a tentar encontrar o meu sítio ali.

Não foi difícil! Quando as pessoas querem as coisas tornam-se mais fáceis. 
Acolheram-me, cada uma à sua maneira cada uma a seu tempo. 
Foi um processo evolutivo, começamos por falar do tempo, da faculdade, do curso (coisas de caca); evoluímos para a forma como conecemos os nossos respectivos namorados, com todos os precalços que cada uma teve; falamos de coisas pessoais, coisas que por vezes até magoavam; e OBVIAMENTE que falamos de outras raparigas, ou seja, estavam todos os passos dados para que uma amizade a sério começasse ali.

Elas deixaram de ser a namorada do João e do Ruben, passaram a ter nome para mim, os fds tornavm-se cada vez mais importantes, pois tinha medo de falhar um e que os maus pensamentos sobre mim começassem a fluir, até já não era medo, eram saudades! 

Chegamos recentemente à conclusão, que já somos amigas, já não estamos juntas por conveniência, estamos juntas porque gostamos da companhia umas das outras, gostamos de conversar! 
Acho que posso falar com elas sobre tudo o que se passar, se algo se passar com uma delas, passa também comigo, porque já não admito muito bem a ideia de elas não fazerem parte da minha vida e do meu grupo de amigos.
Muitos vão pensar, "é ttudo muito bonito mas nunca estão juntas", é verdade, não estamos juntas todos os dias, porque as 3 temos compromissos, as 3 estudamos logo não seria nunca fácil de estarmos sempre juntas, mas quando estamos, vale por toda semana (posso grantir).


Entre nós há um equilibrio muito grande, uma é calma, caladinha, sem se envolver em grandes confusões, é aquela que faz filmes e esquemas na sua cabeça mas prefere guardar para ela; outra é quase que o meio, fala o que pensa, também faz filmes mas partilha-os, eu sou a mais explosiva, talez a que fala mais sem pensar.

Só podíamos ser nós, isso é uma certeza das 3! E só queremos que ninguém estrague ou tire aquilo que conseguimos!

Quero que saibam, que conquistaram um lugar muito especial no meu coração, que vou apoiar-vos em tudo o que puder e espero estar à altura das vossas expectativas, sempre! 

Obrigada pelo voto de confiança! Adoro-vos minhas Boa(s) Zona(s)! 

   <3
                                Conheces-me há mais tempo do que eu te conheço a ti! 

Pediste várias vezes ao pai e à mãe para que eu nascesse e eu nasci. 
Partilhas o quarto comigo há 23 anos, deixaste-me brincar com os teus brinquedos (ainda que soubesses que ia estragar maior parte), deste-me banho, deste-me comida, bricnaste e chateaste-te comigo, amas-me há 23 anos.
 
      Gostava de te ter amado mais cedo, penso que a vida é curta demais para não te ter começado a amar assim que me pegaste ao colo, deveria ter sido assim, Talvez eu te amasse mas não me lembro, não tenho noção. Agora tenho!

     Sou a irmã mais nova, é normal ter passado maior parte da minha vida a tentar compiar-te e lembro-me perfeitamente de o fazer. Sei também que ás vezes tinha um bocadinho de ciúmes.
Sempre quis ser como tu, mesmo assim acho que só te comecei a admirar tarde demais, não sei o que os meus olhos de bebe diziam mas deviam dizer que te admirava e que já tinha muito orgulho em ti! Deveria ter sido desde  aí! 

   Contigo já vivi os melhores e piores momentos da minha vida, e continuo a achar que deveria tê-los vivido mais cedo, mais uma vez, a vida é curta de mais para começarmos a viver tão tarde! 
 
Hoje, passados 23 anos, olho para ti e fico de coração cheio. Aprendi e vou continuar a aprender muito contigo. És uma das mulheres mais bonitas da minha vida. Ensinaste-me que não faz mal chorar e mostrar que estamos mal (eu sei que vais estar sempre lá para mim); que podemos mostrar que temos fraquezas e nunca te deverias ter armado em forte; acho que até a amar aprendi contigo, amar da forma mais intensa que existe no mundo, mas ensinaste-me também que antes de amar alguém (seja lá quem for) temos que nos amar (daquela forma) a nós! 
   É verdade que és das pessoas mais importantes da minha vida, eu só o deveria ter percebido mais cedo... ainda temos muito tempo, mas acho que todos os momentos são fundamentais e talvez eu tenha deixado escapar algum ... 

Aprendi a respeitar e aceitar todas as tuas decisões, algumas acho que deverias considerar, assim como o teu valor! Tu não sabes o valor que tens (em todos os aspetos) e talvez por isso não te aches capaz de mover mundos e fundos, mas és! Não fosses tu o melhor exemplo da minha vida! 

Acho que posso ter percebido tarde demais o que é ter uma irmã mais velha, o que significa amá-la mais do que a nossa própria vida, tentar fazer de tudo em prol de uma única pessoa! Das únicas talvez, que estará comigo até ao meu último suspiro!
 



                   Amo-te e nunca é tarde de mais para te relembrar disso! 

Arquivo do blog

Catarina Couto. Com tecnologia do Blogger.

Pesquisar este blog