Sabes quando acordas com os olhos inchados, a cabeça a latejar e completamente perdida?
Eu sei. Hoje acordei assim. Completamente perdida na cama que melhor me conhece, com duas batatas no lugar de dois olhos, com uma dor de cabeça tão forte que não sei se vai ser possível sair à rua. Mas vai ter que ser. Não vou poder ficar enfiada neste quarto eternamente, à espera quee tudo mude.
Acordei ainda sem ter certeza do que afinal aconteceu à minha vida de um momento para o outro.


De uma coisa eu tenho a certeza, não é sem ti que isto vai melhorar, mas também não é contigo cheio de dúvidas que tudo ficará bem.

e como se costuma dizer "a vida continua", e vou ter que me levantar, comer, veestir-me, maquilhar-me (MUITO) e sair à rua e fazer de conta que está tudo bem, e qeu sou a menina mais feliz do mundo!

E tu? Alguma vez acordaste assim?



"Hoje pela primeira vez não me apetece. 
Não me apetece estar no comboio, fazer a viagem, voltar para casa, voltar para onde tu não estás.
Queria ir com a certeza de que estarias à minha espera, de que teria os teus olhos colados no comboio, ansioso que eu saísse para me abraçar.
Hoje não vai acontecer nada disso.
Isso já não acontece há muito tempo, alguma vez terá acontecido?
Olho para as malas, estão pesadas, mas não tanto quanto os meus olhos cheios de água, ansiosos por verter todas as lágrimas aqui acumuladas. 
Bastava ter dinheiro na carteira e hoje não voltava. Apanhava outro e outro comboio, com diferentes destinos, longe daqui, longe de ti.
Quero esquecer por momentos que existes, que existo por ti. É terrível pensarmos que existimos porque um outro alguém existe. Mas é isso. Ás vezes só existo por ti.
Hoje, sou só eu e as minhas malas, e claro, todo o vazio que deixas em mim. Todos os passageiros devem perceber que me falta um pedaço.
Só queria que lá estivesses à espera como nos filmes, que fosse realmente um conto de fadas, e que me fizesses feliz para sempre.
Queria que tivesses tanta certeza quanto eu tenho.
Mas eu sei que a nossa vida não é um filme, muito menos um conto de fadas, mas talvez, com muito esforço, consigamos ser felizes para sempre."

         10-03-2016
     Queria ser simples. Não me preocupar tanto. Queria ser calma e tranquila.

Queria ser muita coisa que não sou! E agora?
Ás vezes basta-me senitr o vento na cara e chuva fria para saber que estou viva, que estou cá. Outras vezes isso é tão pouco. Outras vezes preciso de adrenalina, perder tudo, largar tudo, sentir-me perdida.

Gostava de ser sempre igual.
 De ter poucos defeitos.
 De não ter saudades de um tempo que nunca voltará. De não ter saudades daquilo que ainda não terminou.
   Não sei porque maior parte das coisas não podem ser eternas, principalmente o amor!
O amor deveria ser eterno, nunca morrer, ser uma constante na vida de todos. Ás vezes não é.

Tudo se resume ao amor (ou deveria resumir-se), vamos para faculdade porque queremos amar o nosso trabalho, trabalhamos porque amamos o que fazemos, temos uma família porque nos queriam amar, construímos família porque queremos amá-la, namoramos e casamos porque amamos. No fundo tudo é amor. E ele deveria ser eterno. Nunca nos deveríamos cansar de amar. Nunca deveríamos cobrar o amor. Nunca poderemos esquecer o que nos move. A mim é o amor. E ele deveria ser eterno.

Gostava de ser diferente em muita coisa. Mas há uma coisa que não pode mudar nunca em mim. A forma como amo. Como amo o que me mantém viva. A minha família. Os meus amigos. O meu namorado. O meu curso....Gostava de ser amada da mesma maneira, mas lá está... o amor não se cobra.

          Só quero que seja eterno.

Arquivo do blog

Catarina Couto. Com tecnologia do Blogger.

Pesquisar este blog