/
0 Comments
     Queria ser simples. Não me preocupar tanto. Queria ser calma e tranquila.

Queria ser muita coisa que não sou! E agora?
Ás vezes basta-me senitr o vento na cara e chuva fria para saber que estou viva, que estou cá. Outras vezes isso é tão pouco. Outras vezes preciso de adrenalina, perder tudo, largar tudo, sentir-me perdida.

Gostava de ser sempre igual.
 De ter poucos defeitos.
 De não ter saudades de um tempo que nunca voltará. De não ter saudades daquilo que ainda não terminou.
   Não sei porque maior parte das coisas não podem ser eternas, principalmente o amor!
O amor deveria ser eterno, nunca morrer, ser uma constante na vida de todos. Ás vezes não é.

Tudo se resume ao amor (ou deveria resumir-se), vamos para faculdade porque queremos amar o nosso trabalho, trabalhamos porque amamos o que fazemos, temos uma família porque nos queriam amar, construímos família porque queremos amá-la, namoramos e casamos porque amamos. No fundo tudo é amor. E ele deveria ser eterno. Nunca nos deveríamos cansar de amar. Nunca deveríamos cobrar o amor. Nunca poderemos esquecer o que nos move. A mim é o amor. E ele deveria ser eterno.

Gostava de ser diferente em muita coisa. Mas há uma coisa que não pode mudar nunca em mim. A forma como amo. Como amo o que me mantém viva. A minha família. Os meus amigos. O meu namorado. O meu curso....Gostava de ser amada da mesma maneira, mas lá está... o amor não se cobra.

          Só quero que seja eterno.


You may also like

Arquivo do blog

Catarina Couto. Com tecnologia do Blogger.

Pesquisar este blog